sexta-feira, 1 de julho de 2011

Doença arrasa plantações de morango no Estado

Mais uma doença está causando prejuízos a produtores de morango no Estado. Desta vez, a doença conhecida como vermelhão, que foi detectada pela primeira vez em plantações de morango do Estado em 2002 - quando empresas do setor importaram mudas de São Paulo - está destruindo plantações em várias propriedades rurais do Espírito Santo.
Este ano o vermelhão está mais intenso e preocupa técnicos e produtores, pois ainda não há um produto para combater a praga. Há produtores pensando em parar de plantar morango, após ter prejuízos quatro anos seguidos devido à doença. “Gastei mais de R$ 5 mil para fazer meu plantio e o que vou colher não vai pagar meu custo. A cada dia que passa mais plantas estão morrendo e a situação é muito triste”, declarou o produtor em São Floriano, Domingos Martins, Pedro Soncine, 59 anos.
Ele contou que este ano a situação se agravou em sua lavoura. “Já testei vários produtos encomendados por vendedores para combater a doença, mas nada resolveu”, afirmou. O produtor Valdinei Sales Schlive, 30, também de São Floriano, contou que a doença destruiu 10 mil pés de morango antes mesmo de iniciar a colheita.

“Estava prevendo colher 5 mil caixas de morango, mas a produção não vai passar de 300 caixas. Meu prejuízo passa de R$ 8 mil. Se continuar assim vai faltar morango no Estado este ano”, disse Valdinei. Segundo o engenheiro agrônomo Hélcio Costa, doutor em fitopatologia e pesquisador do Incaper da unidade de Fazenda do Estado, Domingos Martins, ainda não há cura para a doença.
“Não adianta o produtor utilizar nenhum produto químico que é jogar dinheiro fora e aumentar o prejuízo. Estamos realizando pesquisas em várias regiões do Estado para tentar descobrir o agente causador da doença, mas ainda não conseguimos identificar. A doença ataca mudas produzidas no Estado, provenientes de São Paulo ou importadas da Argentina e Chile”, informou Costa.
Ontem, o pesquisador acompanhou a reportagem do Montanhas Capixabas durante visita ao sítio do produtor Pedro. Costa lamentou a triste situação presenciada na plantação de morangos. “Antes de o produtor comprar mudas, ele deve ir até o viveiro e se as plantas apresentarem qualquer sintoma de doença, não compra. Também não se deve confiar em empresas que trazem mudas de outros estados, pois também podem estar contaminadas”, alertou.
Segundo ele, somente neste mês de junho o laboratório do Incaper da Fazenda Experimental de Fazenda do Estado, onde Hélcio atua, realizou 74 diagnósticos de morango e mais da metade apresentou vermelhão. “O produtor precisa nos informar sobre o aparecimento da doença nas lavouras e trazer amostras de plantas com os sintomas para analisarmos. O importante é não utilizar produtos químicos que prometem milagre, pois infelizmente nada vai adiantar”, afirma o pesquisador.
  
Presente no Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Brasília, o vermelhão será o principal tema no Congresso Brasileiro de Fitopatologia, que será realizado no próximo mês de agosto em Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul. “O evento irá reunir cerca de 1,2 mil pesquisadores de todo o Brasil e do exterior. Vamos tentar encontrar uma cura para essa doença”, garantiu Hélcio Costa.
Neste mês de julho, o assunto também será debatido 51º Congresso Brasileiro de Olericultura, que será realizado em Viçosa, Minas Gerais. “Vamos apresentar uma palestra sobre doenças do morango, com ênfase no vermelhão. No último ano fizemos um acompanhamento de uma lavoura durante 120 dias e analisamos como a doença se propagou rapidamente. A situação é preocupante”, alerta.

Fonte: Portal Montanhas Capixabas, 2011. Adaptação: Edição do Portal Noticias Martinenses, 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário